As maravilhas do mundo árabe | ZGHARTA e EHDEN, Cidades libanesas
258
post-template-default,single,single-post,postid-258,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.7,vertical_menu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
ZGHARTA e EHDEN, Cidades libanesas

ZGHARTA e EHDEN, Cidades libanesas

 

A quarta parada de nossa viagem pelo Líbano são nessas cidades quase irmãs, Ehden e Zgharta, ou Zghorta, localizada no norte do Líbano, que está a cerca de 150 metros acima do nível do mar entre os rios Jouit e Rashein. É a sede do Distrito de Zgharta. Segundo alguns historiadores, o nome Zgharta foi derivado do termo aramaico “zaghar”, que significa fortaleza e em siríaco, o termo “Zegharteh” significa barricadas.

Com uma população estimada em cerca de 90.000 habitantes, Zgharta está a 23 quilômetros da vila de Ehden, a 11 km da cidade costeira de Trípoli, 88 quilômetros da capital do Líbano, Beirute, e 82 quilômetros da mais próxima cidade da Síria, Tartous.

Sua história e seus habitantes estão ligados diretamente à cidade montanhosa de Ehden, onde a maioria dos cidadãos da Zgharta têm casas, e vão passar o verão. Situação esta que é revertida no inverno, quando Ehden está praticamente deserta.

A agricultura é a responsável pela maior parte da economia local. Em Zgharta cultivam-se azeitonas para produção de azeite, e em Ehden cultivam-se pomares de maçã. Ultimamente os setores de serviços e indústria de transformação têm tido um crescimento bastante expressivo.

Em Zgharta fala-se o libanês com um sotaque siríaco bem característico. O siríaco foi ensinado nas escolas locais até meados dos anos 1900.

Dois presidentes libaneses nasceram em Zgharta, Suleiman Frangieh (1970 a 1976) e René Moawad (foi presidente de Líbano por 17 dias em 1989, entre os dias 5 a 22 de novembro, quando ele foi assassinado por assaltantes desconhecidos).

 

 

Vários outros políticos importantes são filhos de Zgharta, por exemplo, Hamid Frangieh, Youssef Salim Karam, Semaan El Douaihy, Suleiman Frangieh Jr, Nayla Moawad, Estephan El Douaihy, Salim Bey Karam, Tony Frangieh, Jawad Boulos, Michel Moawad e Youssef El Bahha Douaihy.

Na cidade de Ehden nasceram pelo menos quatro patriarcas da igreja maronita, Jeremias de Amshit (1199-1230), Youhanna Makhlouf (1609-1633), George Omaira (1.634-1.644), Estephan El Douaihy (1670 -1704), e o líder nacionalista Youssef Bey Karam que liderou uma rebelião contra o domínio turco.

 

Estephan El Douaihy - ZGHARTA e EHDEN, Cidades libanesas

Estephan El Douaihy

 

O poder político no distrito de Zgharta é dominado por poucas famílias rivais da cidade: os Karam, Frangieh, Douaihy, Moawad e Makary.

Algumas descobertas feitas em Zgharta e documentadas, como imensos e pesados neolíticos e machados de duas cabeças, evidenciam que ela pode ter sido habitada na Revolução Neolítica pela cultura Qaraoun.

 

A moderna Zgharta

Um manuscrito em língua siríaca, que pertencia a Romanos Afandi Yammine, filho George Yammine, que hoje em dia pertence a seu neto Youssef Boutros Romanos Yammine, conta como as pessoas de Ehden adquiram terras em Zgharta.

Em 24 de janeiro de 1515, Al-Ghazali, governador de Damasco, juntamente com Sannan Pasha, ministro do Sultão Salim, chegara a Ehden viajando pela rota de Damasco-Vale do Bekaa. Estavam levando fundos para o Sultão Salim que estava no Egito. Foram recebidos como convidados pelo Sheik Iskandar filho do líder de Ehden, e os outros membros de sua comitiva foram recebidos hospitaleiramente pelo povo de Ehden.

Uma nevasca muito grande caiu sobre Ehden durante dois dias, congelando tudo ao redor, obrigando a comitiva a ficar mais cinco dias, onde o Sheikh Iskandar e o bispo local, Kiriakos El Douaihy, deram uma excelente hospitalidade a todos da comitiva com muita generosidade e bondade. O povo de Ehden esforçou-se para limpar a neve pesada para fora da estrada, para que seus hospedes pudessem seguir viagem. Depois os acompanharam em segurança e se despediram com muita cordialidade.

Em abril de 1516, o Sheik Iskandar e o Bishop El Douaihy receberam uma carta de Al-Ghazali, onde dizia que o Sultão Salim, sabendo da grande hospitalidade e assistência que sua comitiva havia recebido do povo de Ehden, pediu que ele recompensasse o povo, e ele prometeu ao Sultão que faria.

Em seu retorno a Damasco, Al-Ghazali convidou o povo de Ehden para encontrá-lo em Trípoli. A pedido do Sheikh Iskander, ele concordou em presentear as pessoas com um lugar para viver longe do rigoroso Inverno de Ehden.

O Sheikh Iskander juntamente com Bishop El Douaihy e alguns funcionários de Al-Ghazali, foram escolher um local adequado na região de Al-Zawiyi. Eles escolheram uma fazenda abandonada, contendo algumas casas demolidas e uma torre no meio, situada entre os rios Joueit e Rashein. Al-Ghazali, ao receber de seus funcionários a localização das terras escolhidas, conseguiu um “Shahani firman” (decreto) do Sultão Salim pelo qual a propriedade da terra passaria para o povo de Ehden.

Oito meses depois, em 1517, o “Shahani firman”, decreto do Sultão, foi concedido, mas diretamente para o Sheikh Iskandar. Isso causou preocupação ao povo de Ehden, temendo que ele e seus parentes reivindicassem a propriedade como exclusiva. Tendo isso, o Bispo El Douaihy, representando o povo, vai até o Sheikh Iskandar e como resultado, ele jurou na igreja Mar Mama que a terra dada, conhecida como Zgharta, seria distribuída igualmente entre as pessoas de Ehden.

Em 1602, o padre jesuíta Ghodar, escreveu o seguinte: “Zgharta é estritamente uma cidade maronita. Representa um pesadelo horrível para seu inimigo. Sua juventude está vestida com roupas tradicionais, camisas brancas decoradas com amarelo bordado costurado, fortemente ligado, juntamente com botas longas e cobertas por cabeça refletindo enorme heroísmo. Zgharta é uma pequena aldeia, rodeada de um gabinete, e tem uma fortaleza ao lado da igreja da Virgem Maria. Zgharta costumava ser uma linha traçada entre o perigo e a adoração, situada entre Trípoli e a montanha. Ela recebia um ataque inicial, em seguida, responde devolvendo esse ataque, atingindo o coração de seu inimigo. Seu povo foi, portanto, renomado e reconhecido como excelentes lutadores”.

Outro visitante mais tarde, em 1831, registra que: “A partir de Trípoli fui para Zgharta, que fica a duas horas de distância. A sua terra está cheia de oliveiras, amoreiras, videiras, damasco e limão”.

Em 1932 a cidade de Zgharta foi dividida em cinco setores: Saydeh Sharki (a área para o lado leste de igreja de Zgharta), Saydeh Gherbi (oeste da Igreja), Slayeb Shemali (lado norte das encruzilhadas), Slayeb Janoubi (lado sul do cruzamento) e Maaser. Para ser um cidadão de Zgharta, precisa ser registrado em um desses cinco setores.

 

Ehden

Vamos falar de Ehden, bela cidade montanhosa que é um resort de verão e um centro turístico famoso, muitas vezes chamado de “A noiva de recursos de verão no norte do Líbano”.

Ehden está localizado no lado norte central do Monte Líbano, está a 1450 metros (na Praça Midan) acima do nível do mar. É conhecida por seu clima seco, água e floresta. Muito frequentada no verão, famoso por sua localização na Montanha Mar Sarkis (São Sarkis) com vista para as cidades e vilas costeiras, tanto quanto Akkar para Shikka. Um grande número de turistas locais e estrangeiros visitam Ehden anualmente

O nome de Ehden vem de Adon, Adonis que significa “poder, estabilidade e tranquilidade”. A raiz árabe Hdn, do nome Ehden,  significa “firmeza, calma e fertilidade”. Adon também pode ser traduzindo como “topo da montanha e sua base”.

O Patriarca maronita Estephan El Douaihy, juntamente com o padre jesuíta Martens  concluíram que o nome de Ehden é derivado do Éden , o paraíso habitado por Adão e Eva. Um folheto com essa crença é mantido na biblioteca Vaticano.

Alguns textos antigos mencionam que o povo de Ehden é descendente da tribo de Sem, filho de Noé.

 

Fatos históricos em Ehden

850 a.C.  O Rei sírio Hadadezer veio a Ehden e a reconstruiu, içando uma estátua de seu deus conhecido então como “Baal Loubnan” ou “O Deus de neve”.

700 a.C.  Senaqueribe , o Rei assírio, Invadiu e ocupou Ehden.

300 a.C.  Seleuco I , General de parte do exército de Alexandre, o Grande reconstruiu Ehden, e construiu um grande templo pagão no lado oriental, onde ergueu uma estátua do deus-Sol Helios.

64 a.C. Pompeu cercou, conquistou e destruiu Ehden. Que só foi reconstruída pelos sírios na ascensão do cristianismo.

282 d.C. Uma inscrição em grego antigo foi encontrado no exterior da Igreja Mar Mama. Foi encontrado também uma inscrição em siríaco que foi traduzido como dizendo: “Em nome de Deus, que é capaz de ressuscitar os mortos. No ano de um dos Alexander … Marcos viveu e morreu. ”

1264 d.C. O povo de Ehden apoia os Cruzados em sua batalha pela a cidade de Trípoli.

1283 d.C. o exército do Sultão Al-Mansur Qalawun, sétimo sultão mameluco do Egito,  invadiu Monte Líbano e queimou Ehden.

1586 d.C. Ehden foi queimada novamente de acordo com a manuscrito encontrado, mas não menciona por quem, tudo o que diz que “Ehden foi queimada no ano de 1897 do calendário grego”, que significa o ano 1586.

1610 d.C. A primeira prensa de impressão no Oriente Médio foi criado no Mosteiro St Anthony de Khozaya perto Ehden. As primeiras publicações foram principalmente de obras religiosas em siríaco (Karchouni). A imprensa continua no mesmo lugar.

No final do século Seis os moradores de Ehden foram convertidos ao cristianismo, por Padres maronitas de São Marun e St. Simeão. Eles construíram cinco igrejas de uma só vez no topo do templo idólatra arruinado, usando suas pedras para a construção de Mar Mama, Mar Boutros, Mar Youhana, Mar Ghaleb e Mar Istfan. Além disso, eles levantaram enormes cruzes de pedra no topo da montanha.

 

Antigas ruínas de Ehden

Ehden costumava ser um local significativo para crenças pagãs, onde numerosos templos e enormes estátuas foram localizados como “Baal Loubnan”, “deus de neve” e “deus do sol”. Devido à grande destruição que tomou conta Ehden ao longo de sua história, a maioria dessas estátuas e templos foi destruída.

Estátuas esculpidas em rochas, além de esculturas gregas e romanas, sepulturas, ruínas do templo e colunas enterradas foram encontrados em aldeias ramificada e distantes como Chouslan, Kartaba, Akoura, Tanourin e Ehden.

Local mais famoso do cristianismo de Ehden é “Dayr AL-Salib” (Convento da Cruz), que é um símbolo de uma era de transformação para os habitantes de Ehden quando se afastaram da idolatria e se converteram ao cristianismo.

 

As igrejas de norte a sul

St Estephan. Nomeado após o primeiro mártir cristão. Esta igreja, que já não existe, foi localizada a poucos metros, onde fica a Igreja Mar Mama.

Catedral de São Jorge

Igreja de Nossa Senhora da Al-Hara

Igreja de Nossa Senhora da Jou’it

Igreja de Nossa Senhora do Forte, construída sobre as ruínas de um cruzado castelo

Igreja de São Abda

Igreja de Santo António

Igreja de Santo Estêvão

Igreja de São Ghaleb. Originalmente chamado significado de St Zakhia em siríaco “Victor”. O edifício já não existe.

Igreja de São João. A igreja não existe mais, mas foi localizado perto da estátua do Patriarca Stephane Doueihi.

Igreja de Santa Maria e São Ibhay siríaco

Igreja de Mar Mamas, que foi construído em 749 dC e é uma das mais antigas igrejas maronitas no Líbano;

Igreja de São Miguel

Igreja de Saint Simon

São Pedro.

 

Conventos

Convento de São Cipriano

Convento de São Jacob

Convento de São Moura

Convento de Saint Paul

Monastério de Mar Sarkis, Ras Al Nahr, Ehden

Convento da Santa Cruz

 

Meio Ambiente

A cidade é também o lar da Floresta Ehden, com uma variedade de árvores, plantas, flores e animais raros. A floresta foi declarada uma reserva natural protegida pelo governo libanês em 1992.  Localizada no lado noroeste da cidade, ocupa uma área de 3000 hectares, com uma elevação de 1300 a 2000 metros do nível do mar. A floresta tem uma variedade de 40 tipos diferentes de plantas nativas, como cedros, abeto, pinho, elm e muitos outros. Além disso, 400 plantas distintas diferentes foram identificadas, dos quais 66 crescer apenas no Líbano, e 11 são endêmicas de Ehden.

Algumas das plantas distintivas da Ehden

Libanotica Stripirtps, descoberto pelo botânico e cientista La Plader em 1758.

Diatanos Karam, descoberto em 1870 pelo botânico Le Blanche que deu o nome em homenagem de Youssef Bey Karam.

Flor da floresta de Ehden (Zahret Horsh Ehden)

Libanotica Cotsina, uma planta espinhosa.

O dente do tigre libanesa (Sin al-Asad al-Loubnani)

 

Algumas fotos de Ehden e Zgharta

 

 

 

Próxima parada Bsharre no vale do Qadisha e a Floresta dos Cedros de Deus

Conheça outra belas cidades libanesas:

Sidon

Zahle

Baalbek

Biblos

Beirute