As maravilhas do mundo árabe | Uma viagem cronológica pela história do Líbano
262
post-template-default,single,single-post,postid-262,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.7,vertical_menu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Uma viagem cronológica pela história do Líbano

Beirute

2810 A.C. – Construção do Templo de A Dama de Byblos. Existe a possibilidade de ter sido parcialmente financiado pelo Faraó do Egito.
2900 A.C. – Segunda onda de migração semita, cananeus, e fundação das cidades  de Sidon e Tiro.

2800 A.C. – Vestígios de habitação humana no sitio de Baalbeck.

2560 A.C. – O faraó egípcio Seneferu envia uma expedição marítima de quarenta navios para trazer madeira de cedro.

2160 A.C. – A grande onda de migração dos amorreus nômades semitas ultrapassa a costa fenícias.

2150 A.C. – Byblos é destruída pela primeira invasão dos amorreus.

Byblos

 

2000 A.C. – Os habitantes de Byblos fundam a cidade de Beirute.

2000 A.C. – Os fenícios aplicam o sistema decimal em sua aritmética.

2000 A.C. – Os fenícios se estabelecem em Baalbeck onde erguem o templo dedicado a Baal o deus do sol.

1900 A.C. – Início da construção do Templo de obeliscos em Byblos atestando a forte influência cultural egípcia

 

Templo de obeliscos

1440 A.C. – Introdução do culto do deus fenício Baal no Egito

1300 A.C. – A aparência do alfabeto fenício perfeito de 22 letras, do qual o alfabeto árabe deve ser derivado.

1298 A.C. – Do faraó Ramsés II chega a Nahr el- Kalb à frente de seu exército.

1298 A.C. – Ramses II retira-se para a Palestina através do Bekaa para a batalha de Kadesh.

1282 A.C. – Byblos goza de sua independência mantendo muito boas relações com o Egipto.

1200 A.C. – Invasão por outros povos pelo Mar Mediterrâneo costa Oriental

1200 A.C. – Além de Sidon , que foi destruída pelos filisteus, outras cidades fenícias foram evacuadas momentaneamente sofrendo menos danos.

 

Sidon

1186 A.C. – Os cananeus do sul perseguido pelos filisteus refugiaram-se nas cidades fenícias

1110 A.C. – Os fenícios fundam a cidade de Lixus, onde hoje é o Marrocos. Exploram a exportação de ouro e prata.

1104 A.C. – Os fenícios fundam cidade de Cádis, no sul da Espanha, uma das cidades mais antigas da Europa.

 

Cádis

1100 A.C. – As cidades fenícias , com exceção de Tiro, prestam homenagem aos assírios

1050 A.C. – Os fenícios de Tiro estabelecem um posto comercial na Cítio, que agora se chama Lárnaca no Chipre.

 

Tiro

962 A.C. – Hiram, Rei de Tiro, enviou arquitetos , pedra e madeira de cedros, para a  construção do Templo de Jerusalém, um palácio real e a Muralha da cidade. As obras duraram 10 anos.

925 A.C. – A construção do Templo fenício em Kommos na costa sul de Creta.

860 A.C. – A chegada dos fenícios a Malta (a palavra fenícia Maleth significa ” refúgio”)

821 A.C. – fundação da cidade de Kambe pelos sidônios no Golfo da Tunísia.

814 A.C. – Elissa foge de seu irmão Pigmalião e estabelece Carthage. Qart Hadasht significa “Cidade Nova”, em fenício é o nome original dado a antiga cidade de Cartago, na Tunísia.

800 A.C. – Os gregos adotam o alfabeto fenício. Os fenícios fabricam a pasta de vidro transparente

 

alfabeto fenício

700 A.C. – A construção do primeiro bireme, um navio de guerra antigo com dois remadores de cada lado, em um estaleiro naval fenício.

598 A.C. – Rei egípcio Neco II (Nekau) emprega marinheiros fenícios para realizar a primeira circunavegação do continente Africano.

586 A.C. – Ocupação de Sidon e Tiro pelo Faraó Hofra, também conhecido como Apries.

539 A.C. – O rei persa Ciro, conquista a Babilonia e os países vizinhos. Fen´cia, Síria, Palestina e Chipre formam a 5ª Satrápia. Os portos fenícios atingem uma extraordinária prosperidade.

389 A.C. – Khabar Evagoras, rei de Salamine, ocupa Tiro auxiliado pelos faraós egípcios.

335 A.C. – Nascimento de Zeno de Cítio, fundador da escola estoica de filosofia, filho de um rico Mercador fenício , em Chipre.

332 A.C. – Alexandre, o grande, ocupa Tiro após 7 meses de cerco.

276 A.C. – No início da Primeira Guerra Síria , os Ptolomeus invadiram o Bekaa.

218 A.C. – Início da segunda guerra púnica, entre Roma e Cartago.

150 A.C. – Nascimento do matemático e filósofo epicurista Zeno de Sidon.

148 A.C. – Anibal, famosos general de Cartago, ocupa a Itália por 15 anos.

140 A.C. – Poeta Antipatro, de Sidon, cria a lista das sete maravilhas do mundo.

63 A.C. – Início da ocupação romana no Líbano.

14 D.C. – Início da construção dos templos de Baalbeck concluída até o final do segundo século.

28 D.C. – A visita e os ensinamentos de Jesus de Nazaré em Sidon e Tiro

57 D.C. – Durante sua terceira viagem missionária, o Apóstolo Paulo, chega a Fenícia.

70 D.C. – Nascimento do cartógrafo e matemático Marinus de Tiro. O método de projeção de seus gráficos, do Atlântico para a China, foi usado por Mercadores 14 séculos mais tarde.

114 D.C. – Decapitação de Santa Eudóxia de Heliópolis, pelos romanos.

120 D.C. – A construção do Templo de Baco em Baalbek.

 

Templo de Baco

155 D.C. – Aniceto é leito Papa. Era um bispo de origem fenícia.

205 D.C. – Data provável para a fundação da Faculdade de Direito de Beirute. Vários juristas e estudiosos têm ensinado lá.

215 D.C. – A construção do Templo de Júpiter em Baalbeck.

228 D.C. – Morte do jurista Ulpiano de Tiro, em Roma. Ele era tutor, conselheiro e prefeito pretoriano do Imperador Alexandre Severo.

234 D.C. – Nascimento do filósofo neoplatônico e historiador Prophyry de Tiro.

237 D.C. – Decapitação de São Barbe de Baalbeck.

293 D.C. – Decapitação de São Aquilina de Byblos.

320 D.C. – Nascimento de São Frumentius de Aksum em Tiro. Ele introduziu o cristianismo na Etiópia.

335 D.C. – Imperador Constantino I convoca o Sínodo de Tiro.

425 D.C. – Teodósio II estabelece uma universidade em Beirute incentivado por sua esposa Eudoxia.

551 D.C. – Uma série de terremotos atingiu o Líbano.

685 D.C. – Nascimento da Igreja Maronita.

695 D.C. – Vitória dos Maronitas em Amioun contra as tropas do imperador bizantino Justiniano II.

707 D.C. – Nascimento do Imam Ouzai (Abdel Rahman Bin Amer) em Baalbeck.

708 D.C. – Após a morte do Papa Sisinnius três semanas depois de sua consagração, Constantino I foi eleito Papa. Ambos eram nativos de Tiro

731 D.C. – Bispo Gregory III de origem fenícia foi eleito Papa da Igreja Católica.

763 D.C. – A tribo Tannoukhi árabe move-se para o Líbano.

811 D.C. – A primeira luta em territórios libaneses ocorre em Chebaa entre a Qaysites e o Yamanites.

875 D.C. – Beirute torna-se a capital do Emirado Tannoukhi.

976 D.C. – A primeira tentativa do imperador bizantino Basil II para ocupar Tripoli.

997 D.C. – A revolução de príncipe ‘ Allaqaa em Tyr falha apesar da ajuda da marinha dos bizantinos.

999 D.C. – O imperador bizantino Basil II chega às portas de Trípoli, mas não consegue entrar a cidade.

1089 D.C. – Fatimid recupera Byblos de Banu Ammar

1089 D.C. – Fatimid recuperar Sidon , Tiro, Byblos e do Bekaa.

1109 D.C. – Trípoli é conquistada pelos Cruzados.

1110 D.C. – A captura de Beirute pelos cruzados e o massacre da população.

1124 D.C. – Tiro é conquistada pelos Cruzados.

1187 D.C. – Depois de sua vitória em Hattin, Saladino ocupa Byblos , Beirute e Sidon .

 

Saladino

1260 D.C. – Os mongóis destroem Sidon. A aliança Franco – Mongol é rompida.

1283 D.C. – O sultão mameluco Qalawoun ocupa as regiões maronitas no Norte.

1289 D.C. a 1291 D.C. – As cidades de Trípoli, Sidon e Tiro são retomadas pelos muçulmanos.

1304 D.C. – Os cruzados atacam Sidon do mar.

1367 D.C. – O Patriarca Maronita Gabriel de Hjoula é condenado à fogueira pela Mamluk autoridades de Trípoli.

1516 D.C. – Os turcos vencem os mamelucos e ocupam o Líbano. Início da era otomana.

1544 D.C. – Início do reinado dos príncipes Maan no Líbano, seu representante mais famoso foi o emir Fakhereddin II, de 1598 a 1635.

1583 D.C. – Campanha militar otomana contra os maronitas os empurra em direção a Byblos e as regiões Kesrouan.

1584 D.C. – Papa Gregório III estabelece a faculdade maronita de Roma.

1584 D.C. – A primeira imprensa do Oriente Médio, com letras siríacas, é instalada no convento de Saint Qozhayya.

1662 D.C. – Abu el- Nawfal Khazen se torna o primeiro cônsul da França para Beirut.

1687 D.C. – Nascimento do orientalista erudito Semaan as- Semaani escritor e prefeito da biblioteca do Vaticano.

1697 D.C. – Os sucessores da família Mann ascendem ao poder. São os príncipes da família Chehab, o principal representante é o emir Bachir II.

1704 D.C. – Morte de Patriarca Maronita Dweihi renovador da Igreja Maronita

1710 D.C. – Em Trípoli, nascimento do Maronita orientalista erudito e clérigo Miguel Casiri membro da Academia de História de Madrid e intérprete para o rei espanhol.

1724 D.C. – Cisão no Patriarcado Grego de Antioquia e do nascimento da Igreja Católica greco-melquita.

1736 D.C. – O Sínodo maronita convocado em Louaize proclama a educação gratuita e obrigatória.

1789 D.C. – A Escola Ain Warka configura Estudos Superiores em seu instituto.

1804 D.C. – Em Achkout , nascimento do escritor e jornalista libanês Ahmad al- Fares Chidiac.

1808 D.C. – Nascimento de monge maronita Neemtallah Kassab Al- Hardini que foi canonizado em 2004.

1819 D.C. – Nascimento do escritor Boutros al- Boustani fundador da Escola nacional

1828 D.C. – Nascimento em Bkaakafra de Youssef Makhlouf , que se tornou Saint Charbel.

 

Saint Charbel

1832 D.C. – Nascimento de São Rafqa.

1834 D.C. – Estabelecimento de Saint Joseph College, em Aintoura.

1840 D.C. – Início dos conflitos confessionais entre cristãos e druzos no Monte Líbano.

1842 D.C. – Instauração do regime dos dois Kaimmaqumat, a divisão em dois distritos, um ao norte, governado por maronitas, e outro ao sul, governado por druzos.

1860 D.C. – Guerra civil druzo-maronita.                           Desembarque francês em Beirute, comandados pelo imperador Napoleão III.

1861 D.C. – 9 de junho, o protocolo de 1861 estabelece o regime de Mustassarafiado, que consistia no reconhecimento da autonomia administrativa do Monte Líbano.

Inauguração do telegrafo ligando Beirute a Damasco.

1866 D.C. – Estabelecimento da Universidade Americana de Beirute.

 

Universidade Americana de Beirute.

1875 D.C. – Estabelecimento de Universidade Saint Joseph, em Beirute.

1876 D.C. – Nascimento do escritor libanês Amin al- Rihani em Freiké. Visita de D. Pedro II ao Líbano.

1879 D.C. – Nascimento do inventor Hassan Kamel As- Sabbah.

1880 D.C. – Começa a grande emigração libanesa, em direção a América, África, Austrália e outros países do Oriente Médio.

1883 D.C. – Nascimento de Gibran Khalil Gibran, grande poeta libanês, em Becharre.

 

Gibran Khalil Gibran

1895 D.C. – Inauguração da ligação ferroviária entre Beirute e Damasco.

1914 D.C. – 1918 D.C. – Primeira guerra mundial.

1918 D.C. – Fim do domínio otomano na região. Entrada das tropas francesas e inglesas no Líbano.

1920 D.C. – Início do mandato francês, e a proclamação do Grande Líbano, onde estariam incluídos também, o Monte Líbano e o Vale do Bekka, supostamente território sírio.

1923 D.C. – Assinatura do tratade de Lausane , no qual o império Turco-otomano foi formalmente encerrado.

1926 D.C. – 23 de maio. O Grande Líbano torna-se a República Libanesa, promulgando a constituição e adotando o regime parlamentarista.

1929 D.C. – Charles Debbas é nomeado o primeiro presidente da república libanesa. Emil Edde é nomeado presidente do conselho de ministros.

 

Charles Debbas

1930 D.C. – Abertura do consulado do Brasil em Beirute.

1936 D.C. – Emil Edde é eleito presidente da República. É o primeiro presidente eleito pela Assembleia Nacional, e o primeiro maronita a nomear um muçulmano como presidente do Ministério.

1943 D.C. – Março – Proclamação do Pacto Nacional fixando as regras da representação das diversas comunidades confessionais. As fundações do estado são definidas de forma que o Líbano admite ser um país árabe independente voltado para o Ocidente, mas que coopera de forma neutra com outros países árabes. O presidente deveria ser cristão maronita; o primeiro ministro, um muçulmano sunita e o porta-voz da Câmara dos Deputados, um muçulmano xiita.

22 de novembro – Proclamação oficial da independência do Líbano em relação ao domínio francês.

Novembro-Dezembro – Forças francesas detêm membros do recém-formado governo, que havia declarado um fim ao mandato, antes de liberá-los em 22 de novembro, doravante conhecido como dia da independência. A França concorda em transferir o poder ao governo libanês a partir de 1º de janeiro de 1944.

1944 D.C. – O Brasil reconhece a independência do Líbano.

1945 D.C. – Estabelecimento das relações diplomáticas entre o Brasil e o Líbano. O Líbano participa da ONU como membro efetivo.

1946 D.C. – 14 de maio – Proclamação do Estado Judeu. A partir de então, a guerra entre Israel e os países árabes da região. Primeiro aporte de refugiados palestinos no Líbano.

31 de dezembro – O último soldado estrangeiro deixa o Líbano.

1949 D.C. – 23 de março – Assinatura da Convenção do Armistício Líbano-Israel.

27 de setembro – Falecimento do ex-presidente da República, Emile Edde, cujo enterro se transforma numa manifestação política de grandes proporções.

1952 D.C. – A Frente Nacional de Oposição organizou uma greve geral no Líbano. O principal resultado foi a demissão do Presidente Bechara el Khoury, e a eleição de Camilo Chamoun, em 22 de setembro.

1954 D.C. – Os capitais monetários afluíram em grande quantidade ao Líbano provenientes, sobretudo, dos países do petróleo.

Maio – O presidente libanês, Camilo Chamoun visita oficialmente o Brasil e assina o Tratado de Amizade, de Comércio e de Navegação entre os dois países.

1957 D.C. – O governo libanês acata a doutrina Eisenhower, anunciada em janeiro, que oferece ajuda militar e econômica dos EUA para o Oriente Médio, com o objetivo de se contrapor a influencia soviética na região.  Eleições legislativas no Líbano.

1958 D.C. – 22 de fevereiro – Egito e Síria estabeleceram um acordo para a formação da Republica Árabe Unida.

 

Formação da Republica Árabe Unida 

14 de julho – Em face de uma crescente oposição que caminha na direção de uma guerra civil, o presidente Chamoun pede aos EUA que enviem tropas para preservar a independência do Líbano.

15 de julho – Os EUA, preocupado com a derrocada da monarquia iraquiana, manda seus marines para restabelecerem a autoridade do governo. Aportam no Líbano cerca de 5000 fuzileiros navais, pondo fim à Guerra Civil.

31 de julho – O General Chehab foi escolhido para suceder Chamoun. Sabri Hamade é eleito presidente do Parlamento.

1961 D.C. – Na noite de 30 de dezembro ocorre uma tentativa frustrada de um golpe de estado pelo Partido Popular Sírio, no Líbano.

1964 D.C. – 7 de janeiro – Falecimento do ex- presidente da República, Bechara el Khoury. Charles Helou é eleito presidente da República.

1965 D.C. – Os armênios relembram no Líbano os cinquenta anos do massacre cometido pelos turcos.

1966 D.C. – 14 de outubro – A falência do Banco Intra, causa prejuízos para a economia libanesa.

21 de dezembro – O xeque Hassan Khaled foi eleito Mufti da República Libanesa. O Mufti é o conhecedor da lei Islâmica (Sharia), assim como designa a fatwa.

1967 D.C.  – 5 de junho – A Guerra de Seis Dias estourou entre os árabes e o Estado judeu. Os árabes perderam a guerra e novos refugiados palestinos chegaram ao Líbano.

1968 D.C. – Março e abril – Eleições legislativas, no Líbano.

28 de dezembro – Em retaliação ao ataque a um avião israelense em Atenas feito por dois membros da Frente Popular para a Liberação da Palestina, Israel ataca o aeroporto de Beirute, destruindo 13 aviões civis.

1969 D.C. – Acordo no Cairo com a OLP. Novembro – O Comandante Chefe do Exército Emile Bustani e o Presidente da OLP Yasser Arafat assinam um acordo no Cairo com o objetivo de controlar atividades guerrilheiras dos palestinos no Líbano.

1970 D.C. – 17 de agosto – Eleição de Suleiman Frangieh como presidente da República.

 

Suleiman Frangieh

1970 – 1971 D.C. – Chegada ao Líbano de militantes palestinos expulsos da Jordânia, devido aos graves confrontos entre o Exército Jordaniano e as organizações palestinas. Estes militantes viam o Líbano como a melhor base para o lançamento de ataques contra Israel.

1972 D.C. – Abril – Eleições legislativas, no Líbano.

Confronto armado entre o Exército libanês e as organizações palestinas.

1973 D.C. – Afrontamentos entre o exército libanês e os combatentes palestinos da OLP.

10 de Abril – Comandos israelenses atacam Beirute e matam três líderes palestinos, próximos de Arafat.

 

Yasser Arafat

1975 D.C. – Início da Guerra Civil

13 de abril – Confronto entre falangistas cristãos e palestinos armados que estavam passando de ônibus no bairro de Ain-Rummanah, em Beirute, deixa 27 mortos. Os falangistas alegam que as guerrilhas haviam previamente atacado uma igreja no mesmo bairro. Tal fato é visto como o estopim da Guerra Civil, que duraria 15 anos.

1976 D.C. – Junho – Tropas sírias entram no Líbano para “restabelecer” a paz, mas também reprimem os palestinos.     Outubro – Seguindo uma reunião de cúpula árabe em Riad e Cairo, um cessar-fogo é declarado e uma maioria síria é designada a mantê-lo.

1978 D.C. – 14 de março – Em represália a um ataque palestino em seu território, Israel invade o Líbano, ocupando a terra ao sul até o Rio Litani.

19 de março – O Conselho de Segurança da ONU declara a Resolução 425, que pede a Israel que recue de todo o território libanês e estabelece a Força Interina da ONU no Líbano (United Nations Interim Force in Lebanon – UNIFIL) para confirmar a retirada israelense, restaurar a paz e ajudar o governo libanês a restabelecer sua autoridade na área.

13 de junho – Israel entrega o território do sul libanês não para a UNIFIL, mas para sua representante, uma milícia cristã libanesa, sob o comando de Maj. Saad Haddad.

1982 D.C. –  O cerco a Beirute imposto pelas tropas israelenses causa uma destruição incalculável na região. A OLP sai de Beirute.

6 de junho – Após o assassinato de Shlomo Argov, o embaixador israelense na Grã Bretanha, Israel declara invasão total ao Líbano em uma operação denominada de Paz para a Galiléia.

14 de setembro – O presidente eleito, Bashir Gemayel, é assassinado. No dia seguinte, as forças israelenses ocupam o Oeste de Beirute e, de 16 a 18 de setembro, as milícias matam palestinos em campos de refugiados em Sabra e Shatila.

21 de setembro – O irmão mais velho de Bashir, Amin Gemayel, é eleito presidente.

24 de setembro – O primeiro contingente de uma força de paz americana, francesa e italiana, solicitada pelo Líbano, chega a Beirute.

1985 D.C. – 6 de junho – A maioria das tropas israelenses se retira, mas algumas permanecem para ajudar o Exército Cristão Sul-Libanês (SLA) liderado por Antoine Lahd que opera em uma zona de segurança no sul do Líbano.

16 de junho – Um avião da TWA aterriza em Beirute após ter sido seqüestrado em um vôo Roma-Atenas por dois membros do Hezbollah. A crise é resolvida com a mediação Síria.

1987 D .C. – Assassinato do primeiro-ministro Rachid Karami. Salim al-Hoss se torna então primeiro-ministro.

1988 D.C. – Um país, dois governos. 22 de setembro – Como não houve a eleição de um sucessor, o Presidente Amin Gemayel indica um conselho de seis membros para o governo, composto de três cristãos e três muçulmanos, embora os últimos se recusem a participar. O Líbano tem, então, dois governos – um majoritariamente muçulmano no Oeste de Beirute, liderado por Al-Huss, o outro, cristão, no Leste de Beirute, liderado pelo Comandante Chefe do Exército, o maronita Michel Aoun.

1989 D.C. – 22 de outubro – A Assembléia Nacional, em encontro em Taef, Arábia Saudita, endossa uma Carta de Reconciliação Nacional, que reduz a autoridade do presidente. A Assembléia Nacional possui agora um número igual de membros cristãos e muçulmanos.

Novembro – O presidente eleito Rene Moawad é assassinado em 22 de novembro e sucedido por Elias Haraoui. No dia seguinte, Salim al-Hoss se torna primeiro ministro e General Emile Lahoud substitui Aoun como Comandante Chefe do Exército.

1990 D.C. – 13 de outubro – A força aérea síria ataca o Palácio Presidencial em Baabda e Aoun e se refugia na embaixada francesa.  Assinatura do Acordo de Taef  pôs fim à guerra no Líbano.

1992 D.C. – Projeto de reconstrução do centro de Beirute.

Agosto – Eleições legislativas põem em risco a economia e o sistema comunitário.

Outubro – Afrontamentos com Israel no sul do Líbano.

Rafic Hariri, um rico homem de negócios, nascido em Sidon, mas de nacionalidade saudita, se torna primeiro ministro, liderando um gabinete de tecnocratas.

 

Rafic Hariri 

18 de dezembro – Deportação, para o Sul do Líbano, de 415 palestinos ligados à OLP.

1993 D.C. – 11 de janeiro – Lançado o projeto de reconstrução da periferia de Beirute. 500 000 habitações são contempladas.

11 de abril – É lançado o projeto de reconstrução do aeroporto de Beirute.

25 de julho – Israel lança uma operação ofensiva no sul do Líbano para por fim às ameaças do Hezbollah e da Frente Popular para Liberação da Palestina (PFLP-GC) no sul do Líbano. Esta é uma das operações mais pesadas desde 1982.

1994 D.C. – Importantes escavações em Beirute resultam no descobrimento de uma parte da cidade fenícia no bairro dos Souks. O principal interesse desses trabalhos consiste na evidência da utilização de um plano ortogonal na época dos fenícios. Os gregos e os romanos edificaram suas construções sobre embasamentos fenícios e a organização urbana de Beirute foi anterior ao modelo helenístico.

Julho – Começo dos trabalhos de reconstrução de Beirute, realizados com o patrocínio de Rafic Hariri. O centro, a periferia, assim como toda a infra-estrutura da cidade é refeita.

17 de setembro – Realização do primeiro concerto de Fairouz para 40.000 pessoas na Praça dos Mártires de Beirute. Outubro – Congresso de forças nacionalistas e islâmicas em Beirute.

1996 D.C. – 11 de abril – Israelenses bombardeiam bases do Hezbollah no sul do Líbano.

26 de abril – Estados Unidos negociam uma trégua. É reconhecido o direito de autodefesa israelense, mas também o direito de resistência por parte do Hezbollah em relação à ocupação israelense do sul do Líbano. Líbano e Síria não assinam o pacto, mas Grupo de Monitoramento Líbano-Israel (ILMG), com membros dos EUA, França, Síria, Líbano e Israel, é designado para monitorar a trégua.

1º de abril – O gabinete interno de Israel vota aceitar a Resolução 425 (1978) do Conselho de Segurança das Nações Unidas se o Líbano garantir a segurança da fronteira norte de Israel. Líbano e Síria rejeitam essa cláusula.

1998 D.C. – 24 de novembro – O líder do exército Emile Lahoud é declarado presidente, sucedendo Elias Hraoui.

2000 D.C. – 18 de abril – Israel solta 13 prisioneiros libaneses mantidos sem julgamento por mais de 10 anos, mas mantém a detenção de xeque Abd-al-Karim Obeid e Mustafa Dib al-Dirani.

24 de maio – Depois do colapso do Exército Cristão Sul-Libanês (SLA) e o rápido avanço das forças do Hezbollah, Israel retira suas tropas do sul do Líbano.

25 de maio – É declarado feriado nacional, o Dia da Resistência e Liberação Nacional.

Outubro – Rafic Hariri se torna primeiro ministro pela segunda vez.

2001 D.C. – Março – Líbano começa a bombear água de um afluente do Rio Jordão para abastecer uma aldeia na fronteira sul do país, a despeito da oposição de Israel.

2002 D.C. – Setembro – Israel continua a se opor ao plano libanês de redirecionar a água do rio localizado em uma região fronteiriça. Israel diz que não pode tolerar a mudança do Wazzani, que é responsável por 10% de sua água potável, e ameaça o uso da força militar.

2003 D.C. – Agosto – Carro bomba em Beirute mata um membro do Hezbollah. A organização e o governo culpam Israel pelo fato.

2004 D.C. – Setembro – Conselho de Segurança da ONU adota resolução – voltada para a Síria – pedindo que as tropas estrangeiras deixem o Líbano. A Síria rejeita a movimentação. Parlamento vota a extensão do mandato do Presidente Lahoud por três anos. Semanas de impasse político terminam com a inesperada partida de Rafik Hariri – que primeiramente havia rejeitado a extensão do mandato de Lahoud – como primeiro ministro.

2005 D.C. – Fevereiro – Ex-primeiro-ministro Rafik Hariri é assassinado em um ataque de carro bomba em Beirute. Aumentam os apelos para a retirada das tropas sírias.

Março – Dias após sua renúncia, o ex-primeiro-ministro pró-síria Omar Karami é solicitado pelo presidente a formar um novo governo.

Abril – Omar Karami renuncia ao cargo de primeiro-ministro. Najib Mikati, representante moderado pró-Síria é nomeado seu sucessor.

Síria alega que já retirou todas as suas forças militares como foi solicitado pela ONU.

Junho – O jornalista Samir Qasir, crítico da influência Síria no Líbano é morto em um carro bomba. Aliança anti-síria liderada por Saad Hariri, filho de Rafic Hariri, ganha controle das eleições parlamentares. Novo parlamento escolhe o aliado de Hariri, Fouad Siniora, como primeiro ministro.

Julho – Siniora encontra o presidente sírio Bashar Assad, ambos concordam em reconstruir relações entre os países.

Setembro – Quatro generais pró-síria são acusados de conexão no assassinato de Rafic Hariri. 14 de dezembro – O jornalista Gibran Tueni, crítico da influência síria no Líbano, é morto em um carro bomba.

2006 D.C. – Fevereiro – Embaixada da Dinamarca em Beirute é queimada durante uma demonstração contra as charges do profeta Maomé, publicadas em jornal dinamarquês.

Maio – O Conselho de Segurança da ONU aprovou a resolução número 1.680, na qual pede veementemente à Síria o restabelecimento das relações diplomáticas com o Líbano. A resolução, proposta pela França, Estados Unidos e Reino Unido, pede ao governo sírio que responda positivamente ao pedido do governo libanês para que delimite sua fronteira comum e estabeleça relações diplomáticas completas.

2007 D.C. – Fevereiro – Milhares de libaneses reuniram-se na Praça dos Mártires, localizada no centro de Beirute, para lembrar os dois anos do assassinato do ex-primeiro-ministro   Rafik Hariri.

 

Praça dos Mártires

Maio – Com a morte de cerca de seis pessoas durante os enfrentamentos entre as forças de segurança libanesas e milicianos do grupo Fatah al Islam, os conflitos campo de refugiados de Nahr el-Bared, se iniciaram em 20 de maio nas proximidades de Trípoli.

O Conselho de Segurança (CS) da ONU aprovou no final do mês de maio a criação de um tribunal internacional para julgar os suspeitos pelo assassinato do premiê libanês Rafik al Hariri, morto em fevereiro de 2005. A resolução Conselho de Segurança da ONU, que permitiu a criação do tribunal, foi aprovada por dez votos a favor e cinco abstenções em uma votação ocorrida na sede da ONU em Nova York.

Junho – O Exército libanês avançou pelo campo de refugiados palestinos de Nahr al-Bared, onde estavam entrincheirados os milicianos do grupo radical sunita Fatah al-Islam, dando continuidade aos conflitos iniciados em maio de 2007.

Julho – Após anunciar a vitória sobre os radicais do grupo islâmico Fatah al Islam, que combateu por mais de um mês, o Exército do Líbano voltou a atacar membros do movimento no campo de refugiados palestinos de Nahr al Bared.

Reconstruindo o Líbano. Grandes partes do Líbano foram destruídas durante a guerra entre Israel e Hezbollah em 2006. Um ano depois, muitas áreas foram reconstruídas.

Agosto – A eleição de dois deputados para vagas deixadas no Congresso, após o assassinato de dois parlamentares, ocorreu em clima de tensão e acirrou ainda mais a disputa política no Líbano.

Setembro – O primeiro-ministro do Líbano, Fouad Siniora, classificou como uma vitória sobre o terrorismo a tomada do campo de refugiados palestino de Nahr al Bared. Durante a operação, dezenas de membros radicais do grupo Fatah al Islam morreram ou foram detidos. Eles estavam no norte do Líbano entrincheirado, desde 20 de maio.

Outubro – O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), em cooperação com o Conselho libanês de Desenvolvimento e Reconstrução (CDR) promoveram a criação de um programa de troca de conhecimentos entre jovens expatriados libaneses.

Dezembro – Um atentado matou o chefe de operações do Exército libanês, o general François al-Hajj, no leste de Beirute. Hajj, um cristão maronita, foi enterrado no dia 13 de dezembro e era o principal candidato para suceder ao chefe do Exército, general Michel Suleiman.

 

Michel Suleiman

 

 Bandeira do Líbano

Tags: