As maravilhas do mundo árabe | Massacre de Qana, derramamento de sangue no Líbano por Israel.
251
post-template-default,single,single-post,postid-251,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.7,vertical_menu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
Massacre de Qana

Massacre de Qana, derramamento de sangue no Líbano por Israel.

Qana é uma vila no sul do Líbano, localizado a 10 km a sudeste da cidade de Tiro, e 12 km ao norte da fronteira com Israel.
Considerada como um ponto estratégico por sua localização é também um lugar turístico e teológico tanto para cristãos quanto para muçulmanos, tem sua população de aproximadamente 10.000 moradores, formada por xiitas e por uma comunidade de cristãos maronitas.De acordo com a Bíblia, houve uma festa de casamento, onde a noiva se chamava Qana, mesmo nome da aldeia. O vinho, imprescindível numa ocasião dessas, estava acabando. Maria, vendo a preocupação da família, comunicou a Jesus o que estava acontecendo. Jesus pediu que trouxessem botijas de água até ele, e as transformou milagrosamente em vinho. Sendo esse o primeiro milagre de Jesus.

Teria sido esse o fato mais marcante da história de Qana. Contudo, em 18 de abril de 1996, Forças de Defesa de Israel fizeram uma violenta e covarde ofensiva de artilharia contra um acampamento das Nações Unidas, onde se encontravam 800 refugiados civis libaneses. O fato ficou conhecido como o massacre de Qana. O saldo do massacre: 106 libaneses mortos 116 feridos e 04 soldados da ONU gravemente feridos.

O massacre de Qana, ataque covarde de Israel, foi chamado por Shimon Perez de “Operação vinhas da ira”, aconteceu em meio a uma guerra entre o Exército de Israel e o Hezbollah.

Um relatório da ONU descartou totalmente a possibilidade de erro ou acidente por parte de Israel no massacre de Qana, levando em conta um vídeo onde um drone de Israel espionava regularmente o complexo da ONU, antes do bombardeio.

Um cessar-fogo feito entre Israel e o Hezbollah havia sido quebrado, e durante o período de 04 de março a 07 de abril foram travados vários combates, que deixaram 07 soldados israelenses mortos e 16 feridos, 03 civis libaneses mortos e 07 feridos, 01 combatente do Hezbollah morto e 06 civis israelenses feridos.

Em 09 de abril, o Major-General israelense Amiram Levine declarou: “Os residentes no sul do Líbano estão sob a responsabilidade do Hezbollah, vamos bater mais forte, vamos encontrar a maneira de agir correta e rapidamente”.

Em 11 de abril, as Forças de Defesa de Israel bombardearam o Sul do Líbano e Beirute, primeiro com artilharia e posteriormente com mísseis guiados por laser.

Em 13 de abril, os navios de guerra israelenses iniciaram bloqueios contra Beirute, Sidon e Tiro, principais portas de entrada do Líbano.

O Hezbollah, em resposta, bombardeava continuamente o norte de Israel com foguetes Katyusha. As Forças de Israel continuavam a bombardear a infraestrutura do Líbano.

Em 14 de Abril, já haviam 745 libaneses abrigados na unidade das Nações Unidas em Qana, um local usado pela ONU por 18 anos, bem marcado e bastante sinalizado pela ONU em mapas israelenses.

Até 16 de abril, o Hezbollah já havia disparado 120 foguetes Katyusha contra Israel, enquanto Israel havia disparando mais de 3.000 foguetes, e 200 mísseis de incursões contra o Líbano. A partir de navios de guerra, eram disparados covardemente mísseis contra estradas superlotadas de refugiados que tentavam ir para Beirute.

Em 18 de abril, dia do massacre de Qana, o número de refugiados na base da ONU chegava a 800. Tanto o Hezbollah quanto o Exército de Israel sabiam disso.

Uma unidade de reconhecimento especial israelense, composta por 67 soldados disseram estar sob intenso fogo, em resposta, Israel ordenou que duas baterias de artilharia abrissem fogo em apoio das tropas. Vários projéteis caíram, por 17 minutos, no complexo da ONU onde os refugiados estavam abrigados.

Um vídeo feito por soldados da ONU mostrou claramente a presença de um drone não tripulado e dois helicópteros de Israel na hora do massacre de Qana. Israel por um tempo desmentiu a presença dos drones, mas, várias testemunhas confirmavam a presença deles. A verdade só veio à tona quando um soldado da ONU entregou secretamente a fita ao jornalista Robert Fisk, que enviou para seu jornal, The independente, que publicou em 06 de maio.

 

Declarações de Israel sobre o massacre de Qana

Cinicamente, o governo de Israel expressou imediato pesar pela perda de vidas inocentes do massacre de Qana, afirmando que o alvo eram posições do Hezbollah e não o complexo da ONU, que o erro se deu por uma incorreta segmentação nas bases de dados, o que é mentira, conforme a gravação de drones a helicópteros antes do bombardeio.

Matan Vilnai - Massacre de QanaO vice chefe do Estado Maior de Israel, Matan Vilnai, tentou se desculpar dizendo que os mapas usados pela artilharia israelense estavam desatualizados, o que também era mentira, uma vez que a ONU estava a 18 anos ali.

O primeiro-ministro Shimon Peres, pasmem, Prêmio Nobel da Paz, disse que Israel não sabia que havia várias centenas de pessoas naquele campo, que foi uma amarga surpresa o massacre de Qana.

Após o ataque, o tenente-general Amnon Shahak, chefe de gabinete do Exército de Israel, numa conferência de imprensa em Tel Aviv em 18 de abril defendeu o bombardeio. Disse não ver nenhum erro de julgamento no massacre de Qana. Que Israel lutou contra o Hezbollah em Qana, e sempre que necessário atiraria para se defender. Conclui afirmando não conhecer quaisquer outras regras do jogo, tanto para o exército ou para civis.

Tanto os Estados Unidos quanto Israel acusaram o Hezbollah pelo massacre de Qana por usar civis como cobertura para atividades militares. O primeiro-ministro Shimon Peres citou o uso de blindagem humana e culpou o Hezbollah. Em 18 de abril, ele disse: “Eles usaram a ONU como um escudo.” Porém, o rabino Yehuda Amital, que na época era membro do gabinete de Peres, chamou as mortes do massacre de Qana de uma profanação em nome de Deus.

 

Relatório da ONU sobre o massacre de Qana

A ONU nomeou como conselheiro militar à frente das investigações do massacre de Qana o major-general holandês Franklin van Kappen.

Suas conclusões foram:

1-   A distribuição dos impactos em Qana mostram duas concentrações distintas, cujos pontos de média de impacto, são cerca de 140 metros de distância. Se as armas foram convergentes, como indicado pelas forças israelenses, deveria ter havido apenas um principal ponto de impacto.

2-   O padrão de impactos é inconsistente com uma ultrapassagem normal do alvo declarado por algumas rodadas, como sugerido pelas forças israelenses.

3-   Durante o bombardeio, houve uma mudança perceptível no peso de incêndio a partir do local de argamassa para o composto das Nações Unidas.

4-  A distribuição de detonações de impacto pontuais e rajadas de ar faz com que seja improvável que os fusíveis de impacto e fusíveis de proximidade foram empregados em ordem aleatória, como indicado pelas forças israelenses.

5-  Não houve impactos na segunda zona de alvo que as forças israelenses afirmam ter descascado.

6-  Ao contrário de repetidas negativas, dois helicópteros israelenses e um veículo remotamente pilotado estavam presentes na área de Qana, no momento do bombardeio.

7-  Embora a possibilidade não possa ser descartada completamente, é improvável que o bombardeio do composto das Nações Unidas foi o resultado de erros técnicos e / ou processuais brutas.

 

A resposta de Israel ao relatório sobre o massacre de Qana da ONU

1-   Israel rejeita categoricamente as conclusões do relatório da ONU sobre o incidente no Qana.

2-   Israel lamenta profundamente a perda de vidas humanas em Qana e investigou profundamente este incidente trágico que foi causado, em primeiro lugar, pela deflagração de foguetes Katyusha e morteiros do Hezbollah a partir de uma localização em estreita proximidade com a posição das Nações Unidas; reiteramos que o IDF não tinha qualquer intenção de disparar sobre a posição da ONU em Qana. Nossa investigação mostrou que a posição da ONU foi atingida por fogo de artilharia, devido à segmentação incorreta com base em dados errados. O drone IAF mostrado em fita de vídeo só chegou a área após a posição da ONU ser atingida e não era um componente operacional na segmentação de fogo de artilharia israelense na área.

3-   É difícil de entender e altamente lamentável que este relatório não condene o Hezbollah para o uso cínico de civis como um escudo para seus homens armados, nem condenar o uso de áreas do Hezbollah contígua ou em estreita proximidade com as posições da ONU para o lançamento de ataques contra Israel.

4-  Este relatório contém informações imprecisas e é enganoso, é contrário ao desejo declarado da ONU para desempenhar um papel mais ativo no processo de paz do Médio Oriente e prejudica sua capacidade de fazê-lo. Israel espera que o acordo alcançado entre os vários lados venha gerar a calma e a estabilidade necessária para envolver as partes interessadas nas negociações de paz que são a única maneira de promover a paz e a segurança entre Israel e Líbano.

 

O relatório da Anistia Internacional sobre o massacre de Qana

Anistia Internacional conduziu uma investigação no local do massacre de Qana, em colaboração com peritos militares, por meio de entrevistas com o pessoal da ONU e civis no composto. Enviou perguntas para o Exercito de Israel que nunca respondeu.

A Anistia concluiu, “o Exército de Israel atacou intencionalmente o complexo da ONU, embora os motivos para fazê-lo permanecem obscuros. O Exército de Israel não conseguiu sustentar a sua alegação de que o ataque foi um erro. Mesmo que fosse, eles teriam que assumir a responsabilidade pela morte de tantos civis no massacre de Qana, por correr o risco de lançar um ataque tão perto do complexo da ONU”.

A Anistia Internacional ainda disse não ser possível afirmar com certeza se o Exército de Israel sabia ou não que civis libaneses estavam abrigados no composto quando foi atacada. No entanto, Israel sabia que as posições da ONU não são alvos legítimos e o fato indicou um desprezo por vidas civis e uma violação das leis de guerra contra civis direta ou indiscriminadamente.

A Anistia Internacional disse que também ficou claro que o Hezbollah disparou de uma posição a menos de 200 metros do complexo da ONU. Todas as indicações eram de que eles estavam atirando em uma patrulha de Exército de Israel que tinha se infiltrado ao norte da zona de segurança para a colocação de minas. A intenção do Hezbollah em escolher esse local poderia ter sido para se proteger contra um contra-ataque do Exército de Israel na crença de que o complexo da ONU seria demasiado perto para eles contra-atacarem.

 

Posição da Human Rights Watch sobre o massacre de Qana

Human Rights Watch concordou, “A decisão daqueles que planejaram o ataque para escolher uma mistura de granadas de artilharia de alto poder explosivo para maximizar a lesões no chão e o disparo contínuo de tais artefatos, sem aviso, em estreita proximidade com uma grande concentração de civis – violou um princípio fundamental do direito internacional humanitário”.

 

Assembleia Geral da ONU e a votação sobre o massacre de Qana

Assembleia Geral das Nações Unidas, em uma votação que teve 66 votos a favor, 2 votos contra (Estados Unidos e Israel) e 59 abstenções, decidiu que o custo de reparos para a sede da ONU, em consequência do massacre de Qana, de aproximadamente US $ 1,7 milhões deveriam ser pagos por Israel.

Todos os anos que se seguiram até 2003, a resolução de que Israel deveria pagar os custos dos danos apareceram na Assembleia Geral, sempre com a mesma quantidade de votos e os 02 votos contra (Estados Unidos e Israel) contra. Os Estados Unidos afirmam que as resoluções financeiras, como esta, tinham de ser aprovadas por consenso para ser aplicada. Israel rejeitou qualquer responsabilidade pelo massacre de Qana, afirmando que “qualquer dano causado a Força Interina das Nações Unidas no Líbano (UNIFIL)”, foi “consequência direta da agressão terrorista libanesa”.

 

Relatório de semanário israelense Kol Ha’ir sobre o massacre de Qana

Em maio de 1996, o semanário israelense Kol Ha’ir publicou reportagens anônimas com vários membros da bateria de artilharia israelense responsável pelo massacre de Qana.

Um reconheceu que eles foram incentivados por seu comandante após o ataque: “Ele nos disse que era a guerra, os bastardos atiraram em você, o que você pode fazer? Ele nos disse que estavam disparando bem e devemos responder, que os árabes, você sabe que há milhões deles”.

Outro artilheiro, disse: “Ninguém falou sobre isso como se fosse um erro. Nós fizemos nosso trabalho e estamos em paz com isso”.

Outro: O comandante nos disse que nós éramos grandes e que eles eram apenas um punhado de árabes. “Quantos árabes estão lá? Alguns vão morrer, não há mal nisso”.

Sentimentos semelhantes foram expressos por outro soldado: “É uma guerra, uma guerra em que essas coisas acontecem. É apenas um monte de árabes. O que você está fazendo é tão difícil? ”.

O exército de Israel questionou a reportagem do Kol Ha’ir.

 

Ação judicial por parentes pelo o massacre de Qana

Em 15 de dezembro de 2005, parentes das vítimas do massacre de Qana entraram com uma ação judicial em Washington, DC contra o ex-chefe do Estado-Maior de Israel Moshe Yaalon por seu papel nas mortes.

A ação foi preparada pelo Centro de Direitos Constitucionais. Yaalon, que era um professor visitante em Washington, teria se recusado a receber os papéis referentes a ação judicial.

Entre os autores estão Saadallah Ali Belhas e seu filho Ali Saadallah Belhas que perderam 31 membros da família no massacre de Qana incluindo suas respectivas esposas e 12 filhos. O Tribunal Distrital dos Estados Unidos rejeitou a denúncia em 2006 na base de que Yaalon tinha o direito de imunidade ao abrigo da Lei de Soberania Estrangeira de Imunidades.

 

Depoimento de Robert Fisk sobre o massacre de Qana

Robert Fisk - Massacre de QanaRobert Fisk é um premiado jornalista inglês, correspondente no Oriente Médio do jornal britânico The Independent. Fisk vive em Beirute há mais de 25 anos, e foi ele que divulgou a fita aonde mostra que drones e helicópteros israelenses sobrevoaram a unidade da ONU antes dos bombardeios, que demonstraram a culpa de Israel no massacre de Qana. Abaixo uma síntese da matéria escrita por Fisk após a morte de Simon Peres, em palavras do próprio Fisk:

Simon Peres pacificador. Eu nunca vou esquecer a visão de derramamento de sangue e corpos queimando em Qana.

Peres disse que o massacre de Qana foi uma “amarga surpresa”. Era uma mentira: a ONU havia dito repetidamente a Israel que o campo estava cheio de refugiados.

Quando o mundo ouviu que Shimon Peres tinha morrido, gritou “Peacemaker!” Mas quando eu soube que Peres estava morto, pensei em sangue, fogo e abate.

Eu vi os resultados do massacre de Qana: bebês dilacerados, refugiados gritando, corpos fumegantes. Era um lugar chamado Qana e a maioria dos 106 corpos – metade delas crianças – agora repousam sob o acampamento da ONU onde eles foram rasgados em pedaços por israelenses em 1996. Eu tinha ido em um comboio de ajuda da ONU nos arredores da aldeia libanesa. As bombas bem acima das nossas cabeças e dos refugiados embalados abaixo de nós. Duraram 17 minutos.

Shimon Peres, próximo a reeleição para primeiro-ministro de Israel – um posto que ele herdou quando seu antecessor Yitzhak Rabin foi assassinado – decidiu aumentar as suas credenciais militares antes do dia da votação agredindo o Líbano.

O ganhador do Prêmio Nobel da Paz, usou como desculpa o disparo de foguetes Katyusha ao longo da fronteira libanesa pelo Hezbollah. Na verdade, esses foguetes eram uma retaliação pela morte de um menino libanês por uma mina deixada por uma patrulha israelense. Não importava.

Alguns dias mais tarde, as tropas israelenses dentro do Líbano foram atacadas perto de Qana e retaliou abrindo fogo contra a aldeia. Seus primeiros projéteis atingiram um cemitério utilizado pelo Hezbollah, o resto voou diretamente para o acampamento da ONU, onde centenas de civis estavam abrigadas. Peres anunciou que “nós não sabíamos que várias centenas de pessoas se concentraram naquele campo. Ele veio a nós como uma amarga surpresa”.

Era uma mentira. Os israelenses tinham ocupado Qana por anos após sua invasão de 1982, eles tiveram filmes de vídeo do acampamento, eles até mesmo enviaram um drone sobre o acampamento durante o massacre de 1996 – um fato que eles negaram até que um soldado da ONU me deu seu vídeo do drone, a partir do qual nós publicados no The Independent. A ONU havia dito repetidamente a Israel de que o campo estava cheio de refugiados.

Esta foi a contribuição de Peres para a paz libanesa. Ele perdeu a eleição e, provavelmente, nunca pensou muito mais sobre Qana. Mas eu nunca esqueci.

Quando cheguei aos portões da ONU (após o massacre de Qana), o sangue jorrava através deles em torrentes. Eu podia sentir o cheiro. Ele tomou conta de nossos sapatos e se prendeu a eles como cola. Havia pernas e braços, bebês sem cabeça, a cabeça dos homens velhos sem corpos. O corpo de um homem foi pendurado em duas partes em uma árvore em chamas. O que restou dele estava em chamas.

Nos degraus do quartel, uma menina sentou-se segurando um homem de cabelos grisalhos, com o braço em volta de seu ombro, balançando o corpo para trás e para frente em seus braços. Seus olhos estavam olhando para ela. Ela estava lamentando e chorando e chorando, repetidas vezes: “Meu pai, meu pai.” Se ela ainda está viva – e não era para ser outro massacre de Qana nos anos por vir, desta vez da força aérea israelense – Duvido se a palavra “pacificador” estava cruzando seus lábios.

Agora, temos de chamá-lo (Shimon Peres) de “pacificador”. Conte, se você puder quantas vezes a palavra “paz” será usada nos obituários de Peres ao longo dos próximos dias. Em seguida, conte quantas vezes a palavra Qana aparece.

 

Veja aqui a reportagem completa de Robert Fisk.

Que Deus nunca se esqueça das vítimas do massacre de Qana.

Em respeito a nossos leitores, não publicamos as fotos do massacre.

 

Abaixo um link do Google com as fotos da época.

Mas, atenção, são muito fortes e chocantes.

Veja aqui as fotos do Google.

Leia também sobre outros massacres cometidos por Israel

Massacre de Abu Shusha

Massacre de Khan Yunis