As maravilhas do mundo árabe | Khalil Gibran, o maior poeta da língua árabe.
272
post-template-default,single,single-post,postid-272,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.7,vertical_menu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Khalil Gibran, o maior poeta da língua árabe.

 Nascido em Bsharri, nas montanhas do Líbano, no dia 06 de janeiro de 1883. Viveu a maior parte de sua vida nos Estados Unidos, para onde se mudou com sua mãe, o irmão e duas irmãs no ano de 1894.

Retornou ao Líbano quatro anos depois, 1898, para completar seus estudos árabes, no Colégio da Sabedoria, em Beirute. Lá permanecendo até 1902, quando voltou para os EUA.

 

Ficou conhecido mundialmente como Khalil Gibran, pintor, poeta e escritor, dentre outros talentos. Em sua curta vida (48 anos), Khalil Gibran produziu obra de simples beleza e espiritualidade, marcada pelo misticismo oriental, que encantaram o público de todo mundo.

 

Sua obra, acentuadamente romântica e influenciada por fontes de aparente contraste como a Bíblia, Nietzsche e Willian Blake, trata de temas como o amor, a amizade, a morte e a natureza, entre outros. Escrita em inglês e árabe, expressa as inclinações religiosas e mística do autor.

 

Em 1902 quando voltou para os Estados Unidos, escreveu poemas e meditações para um jornal árabe, publicado em Boston, chamado O Emigrante. Dedicou-se à pintura e ao desenho, numa arte mística que lhe é própria. Uma exposição com seus primeiros trabalhos despertou o interesse de Mary Haskell, diretora de uma escola americana, que lhe ofereceu um curso de artes em Paris. Publicou “A Música” (1905) e “As Ninfas do Vale” (1906).

 

Entre os anos de 1908 e 1910, Khalil Gibran estudou em Paris, na Académie Julien, onde produziu telas com temas místicos. Uma de suas telas foi escolhida para a Exposição de Belas Artes. Nessa época escreveu “Espíritos Rebeldes” (1908). Em 1910 volta para Boston e nesse mesmo ano muda-se para Nova York, onde reúne em volta de si, diversos escritores libaneses e sírios, que formam uma academia literária (A Liga Literária), que publicava duas revistas árabes: As Artes e O Errante.

 

Entre outros livros escritos em árabe estão: “Asas Partidas” (1912), “Uma Lágrima e um Sorriso” (1914), “A Procissão” (1919) e “Temporais” (1920).

 

A partir de 1918, Khalil Gibran passou a escrever alguns de seus livros em inglês, entre eles, “O Louco” (1918), “O Precursor” (1920), “O Profeta” (1923) (sua obra mais conhecida, traduzida em vários idiomas), “Areia e Espuma” (1927), “Jesus, o Filho do Homem” (1928) e “Os Deuses da Terra” (1931).

 

Sem abandonar a pintura, ilustrou seus livros e seus quadros foram expostos em Boston e em Nova York.
Khalil Gibran faleceu vítima de tuberculose, em Nova York, no dia 10 de abril de 1931. Após sua morte, foram publicados os livros: “O Errante”, “O Jardim Secreto do Profeta” e “Curiosidades e Belezas”.

 

O Museu Gibran, Fundado em 1935, no antigo Mosteiro de Mar Sarkis, possui 440 pinturas e desenhos originais de Gibran e seu túmulo. Ele também inclui móveis e pertences de seu estúdio quando ele morava em Nova York e seus manuscritos.

 

O prédio que abriga o museu e seu túmulo foi comprado por sua irmã em 1931, a pedido de Gibran, que tem o significado espiritual como um mosteiro que remonta ao século 7, quando foi o Mar Sarkis Hermitage (São Serge).

 

Em 1975, o Comitê Nacional Gibran restaura e amplia o mosteiro para abrigar mais exposições. Em 1995 foi novamente expandido.

 

Abaixo algumas das preciosas obras de Gibran.

 

Cartas de amos de Khalil Gibran
http://paulocoelhoblog.com/wp-content/uploads/2013/05/As-cartas-de-amor-de-Gibran.pdf

 

O Profeta

http://www.clube-positivo.com/biblioteca/pdf/profeta.pdf

 

Jesus o Filho do Homem
http://books.google.com.br/books?id=f5oSWzHU-IoC&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

 

Frases de Gibran

http://pensador.uol.com.br/autor/khalil_gibran/

 

Quadros de Gibran